domingo, 11 de novembro de 2012

TALVES OU TALVEZ

 Sinto vergonha de ter cometido este erro por tanto tempo na minha vida. Sempre escrevi errado a palavra TALVEZ. Falta de atenção!!! (Comentário do Valdemir Mota de Menezes,  escriba)


------------------------

FONTE:  http://br24h.com/talves-ou-talvez

Talves ou Talvez

Uma dúvida pertinente no Brasil é qual é a forma correta de se escrever a palavra Talves ou Talvez. Fazendo uma busca em um buscador web, vemos várias ocorrências errôneas desta palavra, então isso dá motivo para escrever este artigo aqui. Lembrando que, caso você sempre escreveu da forma errada, não fique envergonhado, como diz o ditado, antes tarde do que nunca.

Talves ou Talvez: Qual o correto

Se formos olhar em um dicionário, a única forma correta é talvez com Z, e a forma talves com S não existe. Então, se vocÊ era acostumado a escrever talves com S, é melhor rever seus conceitos e começar a escrever da forma correta, principalmente se você estiver escrevendo algo importante, como por exemplo uma prova, um texto para um jornal, etc.

Talves ou Talvez: Como não errar

Para não errar, uma dica minha é você pensar em talvez como duas palavras “tal” e “vez”, assim sendo, sabemos que vez é com Z, então, juntando as duas temos “talvez” com Z. Não sei se esta dica realmente será útil para você em seu dia a dia, mas pra mim, tenha certeza de que tem me ajudado. Queira ou não queria, uma dica dessas, na hora da dúvida, ajuda muito. Ah, mas se tu tiver outra idéia, outro dica melhor do que esta, não hesite, deixe já sua dica aqui nos comentários deste post, combinado gente?
talves ou talvez

Talves ou Talvez: Como se escreve em inglês

Se você precisa escrever talvez em inglês, a forma correta é “maybe”.
Exemplo: Maybe I can Help You.
Tradução: Talvez eu possa te ajudar.

Talves ou Talvez: Palavra Final

Já ví muita gente conversando na internet e escrevendo talves com s. Mas é certo escrever talves com s ou talvez com z? Bem, como eu já disse, se nós formos consultar o dicionário, iremos notar que a palavra talves não existe. Logo, a correta é talvez com z e não talves com s.
Fica aí a dica, e de lambuja fiquem com o significado de talvez.
Talvez – Expressa uma possibilidade ou dúvida. Veja exemplos no link: Significado Talvez
É isso aí galera, espero que tenham entendido o significado e apreendido a forma correta da palavra.
Até o próximo post aqui no Brasil 24 Horas

13 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom mesmo ! Eu sempre tenho dúvidas quando vou escrever essa palavra e mesmo quando consulto eu acabo esquecendo . Agora eu não vou errar mais ! Com essa dica não tem como esquece, o português que é ensinado nas escolas devia ser assim com dicas para melhor compreensão dos alunos, assim ficaria muito mais fácil e prazeroso aprender ! Obrigada, essa dica foi muito boa, muito útil mesmo!!!
    Zélia

    ResponderExcluir
  3. Adorei esse artigo, muito interessante. Realmente no nosso cotidiano surge algumas dúvidas em relação a forma correta de escrever as palavras. Mas, são dicas como esta acima citada, que nos ajuda a escrever corretamente.

    ResponderExcluir
  4. AS VÊZES FICO IMAGINANDO NOSSO IDIOMA, OLHA QUE NÃO SOU EXPERT NO ASSUNTO, MÁS AO MEU VER EXISTE UMA AMPLITUDE GIGANTESCA DE PALAVRAS E ISSO TORNA O NOSSO IDIOMA BASTANTE COMPLICADO E UM DOS MAIS DIFÍCEIS NO MUNDO, ASSIM VEJO COMENTÁRIOS, SEM CONTAR COM AS PALAVRAS QUE VÃO SURGINDO A MERCÊ DE QUEM FALA E ISSO VIRA ROTINA, COMO POR EXEMPLO; "IMEXÍVEL", "A GENTE" USADO A NÍVEL DE BRASIL, ATÉ JORNALISTAS USAM MUITO, PELO QUE CONHEÇO "AGENTE É DE POLÍCIA", O BRASIL ESTÁ PRECISANDO DE MUITAS REFORMAS, O IDIOMA ACREDITO EU É UMA DELAS, BASTA DE IMEXÍVEIS E "AGENTE SOMOS INÚLTEL, ULTRAJE A RIGOR (BANDA).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jamilson, tá mal em filho? VEZES não tem acento. MAS também não. É correto usar A GENTE no lugar de NÓS. Por exemplo, se você escrever AGENTE NÃO SABE ESCREVER, no sentido de NÓS NÃO SABEMOS ESCREVER está errado. Está correto se você quis dizer que AGENTE (da polícia, por exemplo) não sabe escrever. Na música do Ultrage a Rigor é separado e não junto como você escreveu. É "A GENTE SOMOS INÚTIL" e nesse caso o erro de concordância se dá como crítica, ou seja, está errado de propósito, basta você procurar um pouco sobre o contexto político atual de quando essa música foi criada e também saber um pouco mais sobre a banda. O vocalista Roger que compõe muitas das músicas da banda é um cara muito inteligente. Nosso idioma é magnífico, basta estudar. Se acha português difícil vai estudar Mandarim.

      Excluir
    2. Eddie, seu nome deveria ser Eddie OSTENTAÇÃO...kkk.... aproveitando a carona da moda musical aqui no Brasil... Fica a dica: ajude o próximo, porém com mais respeito. Somos frutos de um país que não investe em educação e nem todos puderam ter acesso a ela. É comum ver o português mal falado e escrito. Tenho certeza que você também comete seus erros. Um pouco de amor ao próximo e respeito lhe farão muito bem! Exercite isso em sua vida!

      Excluir
  5. Beleza, mas já percebeu que a maioria dos "corretores ortográficos" dos programas do computador têm em seus banco de dados a palavra "talvés" como correta. Menos aqui que corrigiu. Abraços

    ResponderExcluir
  6. Obrigada! Me ajudou a memorizar. Talvez agora eu não erre mais..rsrsrsrrs sempre ficava em dúvida, sua dica foi super útil.

    ResponderExcluir
  7. Tava eu agora p´ra escrever um documento e fiquei na duvida se escrevia talve(s) ou talve(z), e ai tive de procurar pela internet e vi que não era o unico a ter esse problema, são varias a palavras que usamos no discurso mas na hora de escrita ai a bateria fica sem carga...Gostei, e me foi util.

    ResponderExcluir
  8. Tirei minha dúvida. Pois tinha quase certeza que talvez(terminava com z). Vou colocar seu comentário, numa ilustração com recado no facebook.
    Elza Jahnel, 16 de fevereiro de 2014, as 22:08

    ResponderExcluir
  9. Eu vi e compartilhei uma linda mensagem, mas a palavra talvez estava escrita com (s). Fiquei chocada, pois sempre escrevi com (Z) no final. Pesquisando aqui resolvi e ainda vou colocar a dica da palavra "tal" e "vez", para ninguém mais errar.

    ResponderExcluir
  10. Ha muitos anos atrás escrevi "talves" em uma redação e a professora disse que estava errado e que eu corrigisse, então corrigi para "talvês" depois para "talvêz"... ... ela terminou não me mostrando a grafia correta....rsrsrs. Como eu não dei importância nem para a professora nem para a grafia... até hoje minha dúvida persistia. Ufa!

    ResponderExcluir
  11. Que o nosso idioma é complexo, não é novidade.
    Ao longo do tempo reformas surgem, mas são adaptações necessárias...
    As dicas de aprendizado são muito úteis e se fazem valer por toda a vida.
    Que bom seria se “Dicas” fosse parte integrante em todas as matérias.
    É pena que a disciplina “Didática” não tenha maior ênfase, mas ela tem papel fundamental nessa questão, ela incita o estimulo ao conhecimento e domínio.
    Digo isso com experiências de discente e docente.
    As dicas são mnemônicas importantes em todas as disciplinas.
    Em matérias com maior necessidade de concentração, análise, e raciocínio, as analogias (dicas) são fundamentais para o entendimento e compreensão da matéria em questão, e é quando a Didática aliada ao conhecimento e domínio faz a grande diferença a um professor.

    Ser professor e saber ensinar, não é para qualquer um, exige conhecimento e domínio, é um ato de muita responsabilidade, pois dali pode surgir as mais variadas mentes. É lógico, desde que realmente seja um “professor”. Por isso os países desenvolvidos valorizam esses profissionais.

    Infelizmente o responsável por não termos uma educação de qualidade é essa política colonialista, que perpetua em nosso país. Uma “democracia seletiva”.
    Por outro lado não culpo a ignorância, mas sim o desinteresse, e o descaso da maioria que vence os “pleitos eleitorais”, e que por vezes habitam cadeiras.

    O que percebo é que essa política colonialista está provocando uma marginalização profissional transformando classes profissionais, como a de professores numa classe de simples funcionários da educação.
    Toda política que não estimula a pesquisa e o desenvolvimento durante a carreira colhe os frutos de uma sociedade tacanha.

    ResponderExcluir