quinta-feira, 24 de setembro de 2009

ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS

As informações abaixo foram extraídas do Manual de Lingua Portuguesa do professor Pasquale.


- nota da ledora: fotografia de vista de estrada de ferro, onde vemos duas mãos se
segurando na porta, e os trilhos e vegetação do lado de fora do trem. Pelo ângulo da
foto, percebe-se que a mesma foi tirada de dentro do trem. Ao lado, o texto:
Trago as mãos calejadas de vida, e nelas sinto, indiferente, unhas crescendo passageiras.
- mais abaixo, o mesmo texto em ingles: I bring in my hands, marks of handened life
and in them I feel, unconcernedly, these nails fleetingly developing.
- fim da nota.
Neste capítulo, você começará a estudar a sintaxe do período composto. Poderá
observar os processos sintáticos da subordinação e da coordenação, os tipos de orações
subordinadas e, mais detalhadamente, as orações subordinadas substantivas. No poema
acima, ocorrem duas orações coordenadas ("Trago as mãos caiejadas de vida / E nelas
sinto, indiferente, unhas") e uma subordinada ("crescendo passageiras.").
O estudo do período composto consiste fundamentalmente em investigar as relações que
se estabelecem entre orações que pertencem a um mesmo período.
Neste capítulo, você verá que as orações que atuam sintaticamente como um substantivo
são chamadas de orações subordinadas substantivas.


1 CONCEITO BÁSICO


Você já sabe que período é uma frase organizada em orações. Já sabe também que no
período simples existe apenas uma oração, chamada absoluta, e que no período
composto existem duas ou mais orações. Essas orações podem se relacionar por meio de
dois processos sintáticos diferentes: a subordinação e a coordenação .
Na subordinação, um termo atua como determinante de um outro termo. Essa relação se
verifica, por exemplo, entre um verbo e seus complementos: os complementos são
determinantes do verbo, integrando sua significação. Consequentemente, o objeto direto
e o objeto indireto são termos subordinados ao verbo, que é o termo subordinante.
Outros termos subordinados da oração são os adjuntos adnominais (subordinados ao
nome que caracterizam) e os adjuntos adverbiais (subordinados geralmente a um verbo).

No período composto, considera-se subordinada a oração que desempenha função de
termo de outra oração, o que equivale a dizer que existem orações que atuam como
determinantes de outras orações. Observe:
Percebeu que os homens se aproximavam.
Esse período composto é formado por duas orações: a primeira estruturada em torno da
forma verbal percebeu; a segunda, em torno da forma verbal aproximavam.


A análise da primeira oração permite constatar de imediato que seu verbo é transitivo
direto (perceber algo). O complemento desse verbo é, no caso, a oração "que os homens
se aproximavam" . Nesse período, a segunda oração funciona como objeto direto do
verbo da primeira. Na verdade, o objeto direto de percebeu é "que os homens se
aproximavam".

A oração que cumpre papel de um termo sintático de outra é subordinada; a oração que
tem um de seus termos na forma de oração subordinada é a principal. No caso do
exempIo dado, a oração "Percebeu" é principal; "que os homens se aproximavam" e
oração subordinada. Diz-se, então, que esse período é composto por subordinação.
Ocorre coordenação quando termos de mesma função sintática são relacionados entre si.
Nesse caso, não se estabelece uma hierarquia entre esses termos, pois eles são
sintaticamente equivalentes. Observe:
Brasileiros e portugueses devem agir como irmãos.
Nessa oração, o sujeito composto "brasileiros e portugueses", adjetivos substantivados,
apresenta dois núcleos coordenados entre si: os dois substantivos desempenham um
mesmo papel sintático na oração.
No período composto, a coordenação ocorre quando orações sintaticamente
equivalentes se relacionam. Observe:
Comprei o livro, li os poemas e fiz o trabalho.
Nesse período, há três orações, organizadas a partir das formas verbais comprei, li e fiz.
A análise dessas orações permite perceber que cada uma delas é sintaticamente
independente das demais: na primeira, ocorre um verbo transitivo direto (comprar)
acompanhado de seu respectivo objeto direto ("o livro"); na segunda, o verbo ler,
também transitivo direto, com o objeto direto "os poemas"; na terceira, outro verbo
transitivo direto, fazer, com o objeto direto "o trabalho". Nenhuma das três orações
desempenha papel de termo de outra. São orações sintaticamente independentes entre si
e, por isso, coordenadas. Nesse caso, o período é composto por coordenação. Note que a
ordem das orações é fixada por uma questão semântica e não sintática (os fatos
indicados pelas orações obedecem à ordem cronológica).
Existem períodos compostos em que se verificam esses dois processos de organização
sintática, ou seja, a subordinação e a coordenação. Observe:
Percebi que os homens se aproximavam e saí em desabalada carreira.
Nesse período, há três orações, organizadas respectivamente a partir das formas verbais
percebi, aproximavam e sai.
A oração organizada em torno de percebi tem como objeto direto a oração "que os
homens se aproximavam" (perceber algo); "que os homens se aproximavam",
portanto, é oração subordinada a percebi. Entre as orações organizadas em torno de
percebi e saí, a relação é de coordenação, já que uma não desempenha papel de termo da
outra. O período é composto por coordenação e subordinação.
ATIVIDADES
1. Nas orações seguintes, indique se os termos destacados são subordinados ou
coordenados e explique por quê.
a) (O presidente e o governador) irão à Europa.
b) (Hoje) não será possível circular (pelo centro da cidade).
c) Considero o filme (brilhante, profundo, revolucionário).
d) Queremos (o país civilizado e o povo mais feliz).
e) (Cinema, futebol, boa conversa, nada) o animava.
2. Observe os períodos compostos seguintes e indique os processos sintáticos pelos
quais as orações se relacionam.
a) Ninguém sabe se ela vai aceitar o convite.
b) Informe aos presentes que a reunião será cancelada.
c) Vá ao banco, pague as contas e traga os comprovantes.
d) Vá ao banco, pague as contas e prove a todos que você é capaz de honrar seus
compromissos.



2 TIPOS DE ORAÇÕES SUBORDINADAS
As orações subordinadas se dividem em três grupos, de acordo com a função sintática
que desempenham e a classe de palavras a que equivalem. Podem ser substantivas,
adjetivas ou adverbiais. Mais uma vez, valem os conceitos morfossintáticos, que, como
você já sabe, combinam a morfologia e a sintaxe.
Para notar as diferenças que existem entre esses três tipos de orações, tome como base a
análise de um período simples:
Só depois disso percebi a profundidade das palavras dele.
Nessa oração, o sujeito é eu, implícito na terminação verbal. "A profundidade das
palavras dele" é objeto direto da forma verbal percebi. O núcleo do objeto direto é
profundidade. Subordinam-se ao núcleo desse objeto os adjuntos adnominais a e "das
palavras dele". No adjunto adnominal "das palavras dele", o núcleo é o substantivo
palavras, ao qual se prendem os adjuntos adnominais as e dele. "Só depois disso" é
adjunto adverbial de tempo.
É possível transformar a expressão "a profundidade das palavras dele", objeto direto, em
oração. Observe:
Só depois disso percebi que as palavras dele eram profundas.
Nesse período composto, o complemento da forma verbal percebi é a oração "que as
palavras dele eram profundas". Ocorre aqui um período composto por subordinação, em
que uma oração desempenha a função de objeto direto do verbo da outra. O objeto
direto é uma função substantiva da oração, ou seja, é função desempenhada por
substantivos e palavras de valor substantivo. E natural, portanto, que a oração
subordinada que desempenha esse papel seja chamada de oração subordinada
substantiva.
Pode-se também modificar o período simples original transformando em oração o
adjunto adnominal do núcleo do objeto direto, profundidade. Observe:
Só depois disso percebi a profundidade que as palavras dele continham.
Nesse período, o adjunto adnominal de profundidade passa a ser a oração "que as
palavras dele continham". Você já sabe que o adjunto adnominal é uma função adjetiva
da oração, ou seja, é função exercida por adjetivos, locuções adjetivas e outras palavras
de valor adjetivo. E por isso que são chamadas de subordinadas adjetivas as orações
que, nos períodos compostos por subordinação, atuam como adjuntos adnominais de
termos das orações principais.
Outra modificação que podemos fazer no período simples original é a transformação do
adjunto adverbial de tempo em uma oração. Observe:
Só quando cai em mim, percebi a profundidade das palavras dele.
Nesse período composto, "só quando caí em mim" é uma oração que atua como adjunto
adverbial de tempo do verbo da outra oração. O adjunto adverbial é uma função
adverbial da oração, ou seja, é função exercida por advérbios e locuções adverbiais.
Portanto, são chamadas de subordinadas adverbiais as orações que, num período
composto por subordinação, atuam como adjuntos adverbiais do verbo da oração
principal.
- nota da ledora: propaganda da revista playboy, comemorando o prêmio colunista do
ano de São Paulo, com uma folha em branco, e apenas o texto em letras pretas: - A
gente nem tem roupa para receber o prêmio. - juntamente com o coelhinho, logotipo da
Playboy.
- fim da nota.
"para receber o prêmio." e, quanto à forma, uma oraçao subordinada adverbial reduzida,
pois apresenta o verbo numa forma nominal (no caso, o infinitivo) e não é introduzida
por conjunção ou pronome relativo.
É fácil perceber, assim, que a classificação das orações subordinadas decorre da
combinação da função sintática que exercem com a classe de palavras que representam,
ou seja, é a morfossintaxe que determina a classificação de cada oração subordinada.
São subordinadas substantivas as que exercem funções substantivas (sujeito, objeto
direto e indireto, complemento nominal, aposto, predicativo). São subordinadas
adjetivas as que exercem funções adjetivas (atuam como adjuntos adnominais). São
subordinadas adverbiais as que exercem funções adverbiais (atuam como adjuntos
adverbiais, expressando as mais variadas circunstâncias).
Quanto à forma, as orações subordinadas podem ser desenvolvidas ou reduzidas.
Observe:
Suponho que seja ela a mulher ideal.
Suponho ser ela a mulher ideal.
Nesses dois períodos compostos há orações subordinadas substantivas que atuam como
objeto direto da forma verbal suponho. No primeiro período, a oração é "que seja ela a
mulher ideal". Essa oração é introduzida por uma conjunção subordinativa (que) e
apresenta uma forma verbal do presente do subjuntivo (seja). Trata-se de uma oração
subordinada desenvolvida. Assim são chamadas as orações subordinadas que se
organizam a partir de uma forma verbal do modo indicativo ou do subjuntivo e que são
introduzidas, na maior parte dos casos, por conjunção subordinativa ou pronome
relativo.
No segundo período, a oração subordinada "ser ela a mulher ideal" apresenta o verbo
numa de suas formas nominais (no caso, infinitivo) e não é introduzida por conjunção
subordinativa ou pronome relativo. Justamente por apresentar uma peça a menos em sua
estrutura, essa oração é chamada de reduzida. As orações reduzidas apresentam o verbo
numa de suas formas nominais (infinitivo, gerúndio ou particípio) e não apresentam
conjunção ou pronome relativo (em alguns casos, são encabeçadas por preposições).
ATIVIDADES
Transforme os períodos simples seguintes em períodos compostos por subordinação,
substituindo os termos destacados por orações que de sempenhem a mesma função
sintática.
a) Sugeri ao prefeito (a suspensão da cobrança do imposto).
b) Lembro com saudade os bons momentos (da infância).
c) (Apesar da existência de provas incontestáveis), o réu foi absolvido.
d) Ninguém quer que se chegue a uma crise (insuperável).
e) Pedi a (liberação de mais recursos).
f) (Durante o dia), nada foi feito.
3 ESTUDO DAS ORAÇÕES SUBOORDINADDAS SUBSTANTIVAS
Como você já viu, as orações subordinadas substantivas desempenham funções que no
período simples normalmente são desempenhadas por substantivos. As orações
substantivas podem atuar como sujeito, objeto direto, objeto indireto, complemento
nominal, predicativo e aposto. Por isso são chamadas, respectivamente, de subjetivas,
objetivas diretas, objetivas indiretas, completivas nominais, predicativas e apositivas.
Essas orações podem ser desenvolvidas ou reduzidas. As desenvolvidas normalmente se
ligam à oração principal por meio das conjunções subordinativas integrantes que e se.
As reduzidas apresentam verbo no infinitivo e podem ou não ser encabeçadas por
preposição.
SUBJETIVAS
As orações subordinadas substantivas subjetivas atuam como sujeito do verbo da oração
principal. Observe:
É fundamental o seu comparecimento à reunião.
É fundamental que você compareça à reunião.
É fundamental você comparecer à reunião.
O primeiro período é simples. Nele, "o seu comparecimento à reunião" é sujeito da
forma verbal é. Na ordem direta é mais fácil constatar isso: "O seu comparecimento à
reunião é fundamental". Nos outros dois períodos, que são compostos, a expressão "o
seu comparecimento a reunião" foi transformada em oração ("que você compareça a
reunião" e "você comparecer à reunião"). Nesses períodos, as orações destacadas são
subjetivas, já que desempenham a função de sujeito da forma verbal é. A oração "você
comparecer à reunião", que não é introduzida por conjunção e tem o verbo no infinitivo,
é reduzida.
Quando ocorre oração subordinada substantiva subjetiva, o verbo da oração principal
sempre fica na terceira pessoa do singular. As estruturas típicas da oração principal
nesse caso são:
a) verbo de ligação + predicativo - é bom..., é conveniente..., é melhor..., é claro..., está
comprovado..., parece certo..., fica evidente..., etc. Observe os exemplos:
É preciso que se adotem providências eficazes.
Parece estar provado que soluções mágicas não funcionam.
b) verbo na voz passiva sintética ou analítica - sabe-se..., soube-se..., comenta-se..., dirse-
ia..., foi anunciado..., foi dito..., etc. Exemplos:
Sabe-se que o país carece de sistema de saúde digno.
Foi dito que tudo seria resolvido por ele.
c) verbos como convir, cumprir, acontecer, importar, ocorrer, suceder, parecer, constar,
urgir, conjugados na terceira pessoa do singular. Exemplos:
Convém que você fique.
Consta que ninguém se interessou pelo cargo.
Parece ser ela a pessoa indicada.
- nota da ledora: anúncio de campanha contra as drogas, apresentando um grande
quadro negro e, dentro dele, um quadro bem pequeno, a ponto de não se conseguir ler,
com uma seta que o destaca e o coloca em evidência do lado de fora, do grande quadro
negro, onde podemos ler, em destaque: - Quem usa drogas experimenta novas
sensações. Solidão, angústia e depressão, por exemplo.
- fim da nota.
Muitos autores consideram que o relativo quem deve ser desdobrado em "aquele que"
(como já vimos na página 295). Tem-se, assim, um relativo (que), que introduz oração
adjetiva. Outros autores preferem entender que "Quem usa drogas" é o efetivo sujeito de
experimenta. Esta nos parece a melhor solução.
OBJETIVAS DIRETAS
As orações subordinadas substantivas objetivas diretas atuam como objeto direto do
verbo da oração principal:
Todos querem que você compareça.
Suponho ser o Brasil o país de pior distribuição de renda no mundo.
Nas frases interrogativas indiretas, as orações subordinadas substantivas objetivas
diretas podem ser introduzidas pela conjunção subordinativa integrante se e por
pronomes ou advérbios interrogativos. Observe:
Ninguém sabe / se ela aceitará a proposta. / como a máquina funciona. / onde fica o
teatro. / quanto custa o remédio. / quando entra em vigor a nova lei. / qual é o assunto da
palestra.
Com os verbos deixar, mandar, fazer (chamados auxiliares causativos) e ver, sentir,
ouvir, perceber (chamados auxiliares sensitivos) ocorre um tipo interessante de oração
subordinada substantiva objetiva direta reduzida de infinitivo. Observe:
Deixe-me repousar.
Mandei-os sair.
Ouvi-o gritar.
Nesses casos, as orações destacadas são todas objetivas diretas reduzidas de infinitivo.
E, o que é mais interessante, os pronomes oblíquos atuam todos como sujeitos dos
infinitivos verbais. Essa é a única situação da língua portuguesa em que um pronome
oblíquo pode atuar como sujeito. Para perceber melhor o que ocorre, convém
transformar as orações reduzidas em orações desenvolvidas:
Deixe que eu repouse.
Mandei que eles saíssem.
Ouvi que ele gritava.
Nas orações desenvolvidas, os pronomes oblíquos foram substituídos pelas formas retas
correspondentes. É fácil perceber agora que se trata, efetivamente, dos sujeitos das
formas verbais das orações subordinadas.
OBJETIVAS INDIRETAS
As orações subordinadas substantivas objetivas indiretas atuam como objeto indireto do
verbo da oração principal:
Duvido de que esse prefeito dê prioridade às questões sociais.
Lembre-se de comprar todos os remédios.
COMPLETIVAS NOMINAIS
As orações subordinadas substantivas completivas nominais atuam como complemento
de um nome da oração principal:
Levo a leve impressão de que já vou tarde.
Tenho a impressão de estar sempre no mesmo lugar.
Observe que as objetivas indiretas integram o sentido de um verbo, enquanto as
completivas nominais integram o sentido de um nome. Para distinguir uma da outra, é
necessário levar em conta o termo complementado. Essa é, aliás, a diferença entre o
objeto indireto e o complemento nominal: o primeiro complementa um verbo; o
segundo, um nome. Nos exemplos dados acima, as orações subordinadas
complementam o nome impressão.
PREDICATIVAS
As orações subordinadas substantivas predicativas atuam como predicativo do sujeito da
oração principal:
A verdade é que ele não passava de um impostor.
Nosso desejo era encontrares o teu caminho.
APOSITIVAS
As orações subordinadas substantivas apositivas atuam como aposto de um termo da
oração principal:
De você espero apenas uma coisa: que me deixe em paz.
Só resta uma alternativa: encontrar o remédio.
- nota da ledora: quadro de destaque na página:
OBSERVAÇÃO:
Num período composto, [e normal que um conjunto de orações subordinadas
substantivas crie uma unidade sintática e semântica. Verifique o que ocorre no seguinte
período:
É fundamental que você demonstre que é favorável a queo o contratem .
Qual o sujeito da forma verbal é? Responder a essa pergunta equivale a dizer o que é
fundamental para quem fez a afirmação contida na frase. E a resposta é longa: "que
você demonstre que é favorável a que o contratem"- afinal, é isso que é fundamental
para quem fez a afirmação. Como classificar o bloco? Na verdade o bloo todo funciona
como sujeito da forma verbal é, mas não pode dizer que tudo isso seja uma oração
subordinada substantiva subjetiva, já que há no trecho tres orações. Deve-se dizer que o
núcleo do sujeito da forma verbal é é a oração " que você demonstre", cujo verbo
(demonstre ) é transitivodireto; seu objeto direto é " que é favorável a que o contratem ",
cujo núcleo é " que é favorável ". O nome favorável, por sua vez, é complementado pela
oração " a que o contratem ", oração subordinada substantiva completiva nominal.
Você pode achar isso tudo meio complicado, mas é necessário ver a fundo como rações
subordinadas substantivas podem constituir unidades sintático-semânticas.
- fim do quadro.
ATIVIDADES
1. Transforme os termos destacados nos períodos seguintes em orações subordinadas
substantivas. Depois, compare a frase original com a frase que você obteve,
considerando dados como clareza, síntese, elegância.
a) Pressenti (sua chegada).
b) O sucesso do proieto depende (do teu esforço).
c) Sou contrário (à condenação do réu).
d) O importante é (a sobrevivência da nossa emoção).
e) Não preciso (de sua ajuda).
f) Anunciaram (a tua saída).
g) Lamento (vosso pouco interesse pelo projeto).
2. Classifique as orações subordinadas substantivas destacadas nos períodos seguintes.
a) Ocorre (que o país necessita da reforma agrária).
b) Comenta-se (que o país necessita da reforma agrária).
c) Nao negue (que o país necessita da reforma agrária).
d) É óbvio (que o país necessita da reforma agrária).
e) O fato é (que o país necessita da reforma agrária).
f) Tenho certeza (de que o país necessita da reforma agrária).
g) Não se pode duvidar (de que o país necessita da reforma agrária).
h) Faço uma afirmação : (que o país necessita da reforma agrária).
3. Observe atentamente os dois períodos compostos seguintes e indique a diferença de
sentido que há entre eles.
Diga se vocé me quer.
Diga que você me quer.
4 PONTUAÇÃO DAS SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS
A pontuação dos períodos compostos em que surgem orações subordinadas substantivas
segue os mesmos princípios que se adotam no período simples para as funções sintáticas
a que essas orações equivalem:
- A vírgula não deve separar da oração principal as orações subjetivas, objetivas diretas,
objetivas indiretas, completivas nominais e predicativas - afinal, sujeitos, complementos
verbais e nominais não são separados por vírgula dos termos a que se ligam. O mesmo
critério se aplica para o predicativo nos predicados nominais.
- A oração subordinada substantiva apositiva deve ser separada da oração principal por
vírgula ou doís-pontos, exatamente como ocorre com o aposto:
O boato, de que o presidente renunciaria, espalhou-se rapidamente.
Imponho-lhe apenas uma tarefa: que administre bem o dinheiro público.
- nota da ledora: - quatro quadrinhos, na página : os quadrinhos, não teem em seus
desenhos nada que justifiquem o diálogo que se seguirá, talvez porisso o título dos
quadrinhos seja Intuindo. No primeiro quadro aparece um coração, em uma tela e a
seguinte mensagem: no meio do amor ele pergunta:- você acha que eu tenho pouco
músculo? - segundo quadrinho: um disco voador no espaço, cheio de ET: - ela responde
que não e pergunta, no terceito quadrinho, que parece ser uma chaleira no fogo: - você
acha que eu sou pelancuda?, no quarto quadrinho tem o desenho de um rolo de papel,
aparentemente higiênico, e: - ele responde que não.
Em todos os quadrinhos acima, temos orações subordinadas substantivas objetivas
diretas. Todas, estão corretamente pontuadas: não há vírgulas separando-as das
respectivas orações principais.
- nota da ledora: quadrinho representando uma cidade espacial e o seguinte texto: - E
concluem que o bom do amor é que ele não acha muito.
Para concluir, a pontuação se mantém corretíssima nas duas substantivas finais: a
objetiva direta e a predicativa.
ATIVIDADES
Pontue adequadamente as frases seguintes. Leve em conta a possibilidade de não usar
nenhum sinal de pontuação.
a) Sempre me pede que o auxilie que interceda em seu favor que faça as coisas por ele.
b) Não duvido de que tudo possa ser resolvido por um simples aperto de mão.
c) Em sua canção "Imagine" Lennon manifestava um sonho que a humanidade
vivesse em paz.
d) Não surpreende constatar que muitos brasileiros ainda imaginam ser possível resolver
os graves problemas do país com promessas demagágicas.
e) "Existirmos a que será que se destina?"
f) Quero apenas uma coisa que você faça o que lhe convier.
g) Não existe a menor possibilidade de que ele se interesse pelos problemas das classes
menos favorecidas.
h) Informamos a todos os interessados que José Joaquim Xavier Sampaio de Andrade é
funcionário da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos desde 1988.
TEXTOS PARA ANÁLISE
Democracia e desamor
Sao Paulo Sábado à tarde, Caracas, Venezuela: o taxista que me leva do aeroporto ao
hotel faz um veemente discurso contra a democracia. Chega ao ponto de responsabilizar
o sistema democrático pelo contraste entre a imensa riqueza petrolífera do país e a
miséria de uma fatia ponderável da população (50% dos venezuelanos vivem hoje
abaixo da chamada linha de pobreza).
Domingo de manhã, Caracas: saio para comprar jornais e, no semáforo da esquina, uma
mulher, cuja roupa denuncia ser ela de classe média baixa, desanda a falar mal dos
militares golpistas. Imagino que vá me fazer recuperar a fé no vigor do sentimento
democrático dos venezuelanos. Engano. Ela critica nos rebeldes não o fato de terem
tentado um golpe, mas o de terem se rendido. "Faltam 'huevos' a esse pessoal", diz,
usando a gíria em castelhano para o símbolo da virilidade.
Os puristas dirão que a amostragem é insuficiente, o que é verdade, mas persiste o fato
de que, nas ruas de Caracas, a democracia encontra raros defensores. É desolador
verificar que a democracia se tornou um ente mal-amado justamente no raro momento
da história latino-americana em que vigora na grande maioria dos países do
subcontinente.
Desolador, injustificável, mas compreensível. Enquanto o taxista fala mal da
democracia, o carro serpenteia pelos morros de Caracas, nos quais se pendura um
crescente número de "ranchitos", versão venezuelana (melhorada) das favelas
brasileiras, olhando para os arranha-céus lá embaixo, que simbolizam a opulência da
Venezuela chamada "saudita", formando um contraste tão formidável como o que existe
no Rio de Janeiro.
A verdade é que a América Latina dos anos 80-90 acabou dando razão póstuma aos
marxistas quando diziam que a democracia era uma coisa formal (ou burguesa). Com
ela, pode-se votar e ser votado, tem-se todo o direito de reunião e de expressão e todas
as demais liberdades públicas.
Falta demonstrar que a democracia é também capaz de permitir que as massas de
marginalizados melhorem de vida. Sem essa prova, ela será cada vez mais mal-amada.
(ROSSI, Clóvis,. ln: FoIha de S. Paulo, 2 dez. 1992.)
TRABALHANDO O TEXTO
1. Aponte as orações subordinadas substantivas desenvolvidas presentes no segundo
parágrafo e classifique-as.
2. "É desolador verificar que a democracia se tornou um ente mal-amado..."
a) Qual o sujeito de é?
b) Qual o objeto direto de verificar?
c) A passagem "É desolador" exprime juízo de valor do autor do texto sobre o fato
apresentado a seguir?
3. "A verdade é que a América Latina dos anos 80-90 acabou dando razão póstuma aos
marxistas..."
"Falta demonstrar que a democracia é também capaz de permitir que as massas de
marginalizados melhorem de vida."
a) Qual o predicativo de "A verdade"?
b) Qual o sujeito de "Falta demonstrar"?
c) Qual o objeto direto de demonstrar?
d) Qual o complemento do nome capaz?
e) Qual o objeto direto de permitir?
f) Qual a importância das expressões "A verdade é" e "Falta demonstrar" para a
argumentação desenvolvida no texto?
4. O texto evidencia a relação entre os períodos compostos que participam das orações
subordinadas substantivas e os textos dissertativos? Comente.
5. Democracia é fundamental? Por quê?
Velho, só se for com gelo
Sao Paulo - Foi do dia para a noite. Assim mesmo, um estalo repentino. Súbito, o país
descobriu que tem velhos. Ou, por outra, lembrou-se de que os havia esquecido em
depósitos absurdos, às vezes fétidos.
Há os que, acometidos por variados tipos de moléstias, da esclerose ao câncer, morrem,
suprema ironia, de mortes tão simples quanto banais. Ora a diarréia, ora a desnutrição.
No filme de terror que estamos exibindo ao mundo nos últimos meses, o Brasil muda
freneticamente de semblante.
Há poucos dias, tinha a cara dos mortos de Caruaru. Ganhou na cena seguinte a
fisionomia dos corpos de Eldorado de Carajás.
Agora, o país tem a cara dos velhos da Santa Genoveva (que nome para uma casa de
horrores!). E o que há por trás dessa nova cara? Já se disse que há escassez de verbas
para a Saúde. Já se afirmou também que há pilantragem dos donos da clínica.
Mas faltou dizer o principal. Sim, faltou o essencial. Por trás de mais essa face triste de
nossa realidade, há o descaso abjeto do Brasil por seus velhos.
Vivemos sob o ritmo da novidade, no embalo da pressa. Encontramos tempo para falar
no celular, para ver a novela compacta da Globo, até para reformar uma Constituição
que ainda engatinha. Só não achamos tempo para os velhos.
E não se imagine que a chaga do abandono atazana apenas os velhos de famílias pobres
ou remediadas. Não, não. Também o velhote de família rica oscila, feito alma penada,
entre a amargura e o abandono. A diferença é que, em vez de ser depositado nos
corredores de uma clínica com nome de santa, ganha a companhia remunerada de
enfermeiras.
No Brasil de hoje, embriagado com tantos problemas sociais, o único velho que tem o
seu valor reconhecido é o escocês de 12 anos. Os outros, ah, os outros. Ou jazem
mortos, ou aguardam a sua vez.
(SOUZA, Josias de. In: Folha de S.PauIo, 10 jun. 1996.)
1. Qual é o objeto direto de descobriu (primeiro parágrafo)?
2. Qual é o objeto indireto de lembrou-se (primeiro parágrafo)?
3. Classifique a oração "que há escassez de verbas para a Saúde" (quinto parágrafo).
4. Classifique a oração "que há pilantragem dos donos da clínica" (quinto parágrafo).
5. Classifique a oração "que a chaga do abandono atazana apenas os velhos de famílias
pobres ou remediadas" (oitavo parágrafo).
6. Classifique a oração "que (...) ganha a companhia remunerada de enfermeiras"
(oitavo parágrafo).
7. O texto fala que o Brasil está "embriagado com tantos problemas sociais" e que "o
único velho que tem o seu valor reconhecido é o escocês de 12 anos". Que velho é esse?
Comente, não deixando de relacionar esse velho com o termo (embriagado) e com o
título do texto.

4 comentários:

  1. respostas dessas atiidades?

    ResponderExcluir
  2. atividade 1
    Pressenti ( sua chegada).
    Pressenti (que você tenha chegado).

    O sucesso do projeto depende ( do teu esforço).
    O sucesso do projeto depende que voçê ( se esforce).

    Sou contrário (à condenação do réu).
    Sou contrário (que condenem o réu).

    O importante é (a sobrevivência da nossa emoção).
    O importante é (que sobreviva nossa emoção).

    Não preciso (de sua ajuda).
    Não preciso (que você me ajude).

    Anunciaram (a tua saída).
    Anunciaram (que você saiu).

    Lamento (vosso pouco interesse pelo projeto).
    Lamento (que vós tenhas pouco interesse pelo projeto).

    ResponderExcluir
  3. Gostaria de saber sobre a resposta da questã Observe os dois períodos compostos seguintes Utilizando seus conhecimentos sobre Orações Subordinadas Substantivas, classifique-os e indique a diferença de sentido que há entre eles:
    Diga se você me quer.
    Diga que você me quer. pro.cristina@hotmail.com

    ResponderExcluir
  4. Gostaria de saber sobre a resposta da questã Observe os dois períodos compostos seguintes Utilizando seus conhecimentos sobre Orações Subordinadas Substantivas, classifique-os e indique a diferença de sentido que há entre eles:
    Diga se você me quer.
    Diga que você me quer. elianabrrsousa@hotmail.com

    ResponderExcluir